Iruya e a felicidade de estarmos juntos.

Um amigo meu queria muito ir para Iruya – Salta, e eu confesso que não sabia nada a respeito da cidade e ele contava: Um povoadinho em meio as montanhas coloridas, com população andina nativa.

 

Estou sem dinheiro, e agora?

O recém grupo de viagem formado, todos topamos. Fomo para Humahuaca – Jujuy para pegar o ônibus e uma nova surpresa para mim: O valor do ônibus era tão caro que não cabia em meu orçamento e decidi não acompanha-los. Isso foi triste mas não teria outra saída. Até que meu amigo me disse: Não há problemas, eu te ajudo.

E assim, o grupo seguiu rumo a Iruya, foi praticamente um dia todo de viagem, em um ônibus comum, como os que circulam cidades no Brasil. A estrada era assustadora, em meio as montanhas, com trechos estreitos e vistas para o penhasco. O clima desértico quente e seco e uma paisagem deslumbrante de montanhas coloridas e um céu azul.

 

A viagem já tinha valido a pena só pela vista. – Que ilustra a capa do post.

Enfim chegamos e fomos buscar um lugar para nos hospedarmos, nos dividimos em equipes de 2 e assim eu e um amigo conseguimos uma casa em que a diária custaria como 10 reais para cada. A casa contava com 2 quartos, colchões para todos, água quente por calefação, cozinha com fogão a gás.

Nós estávamos muitos felizes, pois viemos o caminho todo emanando energia de alugarmos uma casa. A baixo uma foto nossa nela.

arquivo-pessoal-@mirellarruda
Argentinos, franceses e eu representando Brasil. Assim se começou a família.

No dia seguinte, levantamos muito cedo para fazermos a caminhada para San Isidro, um povoado a algumas horas de Iruya. O percurso valeu a pena pela paisagem, mais e mais montanhas coloridas como a imagem a baixo. – O trajeto inclui atravessar riachos caminhando, se prepare. Também é recomendável levar a comida e água, já que não há pontos para compra no caminho.

Iarquivo-pessoal-@mirellarruda
Caminho para San Isidro – Foto @mirellarruda

 – Dicas:

  • Anote em Humahuaca todos os horários de ônibus, ida e volta, pois não têm muitos horários.
  • Mesmo que o clima pareça quente, não se esqueça de se proteger, é muito fácil se resfriar naquela região. (foi meu caso)
  • Não tem muitas opções para comprar comida, é recomendável levar frutas e vegetais.
  • Quando descer do ônibus muitas pessoas vão lhe oferecer hospedagem com um valor mais alto do que se você caminhar para buscar.

 

Vamos a Bolívia.

Depois de Iruya queríamos chegar na Bolívia, acordamos cedo para tentarmos chegar no mesmo dia.

Pegamos um ônibus até um ponto no meio da estrada, onde pessoas locais nos falaram que encontraríamos um ônibus direto para fronteira. Mais 2 belgas e 1 austríaca se somaram com nós.

Estávamos em um ponto muito isolado no meio de uma paisagem desértica. Horas esperando e nada de ônibus, começamos a tentar pedir carona mas o cenário era complexo, poucos carros e nós estávamos em mais de 10. O que nos restou? Tocar um violão e dançar.

 

Somos uma família, somos Delegacion Clandestina.

Nesse ponto já havíamos decidido que iriamos seguir juntos pela Bolívia e nomeamos o nosso grupo de viagem como Delegacion Clandestina. Recomento estucar a música Clandestino – Manu Chão.

Musica Clandestino – Manu Chão no YouTube.

 

Até que enfim um carro parou, eu e mais 3 amigos fomos com ele, que nos deixou na cidade fronteira. Fomos caminhando pela cidade, buscando comida e os lugares eram muito caros, compramos uns pães e caminhamos para a Aduana para esperar nossos amigos. Sem sinal de internet, lá estamos sentados na fronteira.

Passaram-se muitas horas e já era noite quando nossos amigos apareceram e cruzamos todos juntos a fronteira de La Quiaca – Argentina com Villazón – Bolívia.

Chegamos caminhando na cidade e era muito tarde, e ainda precisávamos encontrar um lugar para dormir. Nos dividimos em grupos e assim fomos, sabíamos que as pessoas ao nos escutarem falar, sabendo que nosso idioma não era espanhol, poderiam querer nos cobrar mais caro, pechinchamos muito e encontramos um lugar bem mais ou menos, a ideia era apenas descansar e nos estruturar na cidade para irmos para O Salar de Uyuni.

 

 

 

 

 

Anúncios

Categorias:As histórias de Mimimi a fueraTags:, , , , , , , , , , , , ,

1 Comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s